jusbrasil.com.br
18 de Setembro de 2019

O preconceito no judiciário com os estudantes de direito negros

Edson Bruno, Estudante de Direito
Publicado por Edson Bruno
há 4 meses

Bom dia, como é ser um estudante de direito negro?

Sinceramente? Péssimo, temos que ficar comprovando toda hora que somos capazes de estar no meio daquele nível de sociedade.

Lembro-me como fosse hoje, começamos no primeiro período com 80 alunos, no total éramos 8 negros, ou seja, 10% do total.

No começo sentamos um longe do outro, acredito que queríamos ser aceitos ali, mas na segunda semana já sentávamos um perto do outro, saberíamos lidar uns com os outros, sabíamos o pensamento do outro rs, lei da aproximação, já que no começo você procura pessoas com sua característica, que se identifica de primeira.

Infelizmente, hoje no penúltimo período fui o único que continuei o curso, alguns trancaram sua matrícula, outros foram para outros cursos ou foram seguir suas vidas.

Estou acostumado a enfrentar batalhas sozinho, em um órgão com uns 40 estagiários sou o único negro, realidade ou vitimismo?

Fui para uma audiência com uma roupa simples social, fui "confundido" com o acusado, realidade ou vitimismo?

Na outra semana fui de terno, perguntaram qual igreja eu ministrava cultos ou se iria casar, realidade ou vitimismo?

Só rindo mesmo, as pessoas vivem um retrocesso cultural enorme, onde não olham para o seu conhecimento, suas conquistas, apenas para sua etnia, e esperam você falhar.

Que pena, encontraram uma pessoa que gosta de desafios e que está acostumado a vencer suas batalhas, não preciso espalhar que sou negro por que está expresso em minhas características, não preciso dizer que sou capaz, minhas atitudes para as pessoas que me conhecem sabem.

Gostaria que mais pessoas comprassem essa briga, não podemos mudar essa estatística de preconceito que o país vive, mas podemos fazer a nossa parte para mudar esse histórico, e ser menos preconceituosos.

Destacando, que nossos antepassados já viveram o pior momento chamado "escravidão", estamos em um país que a maioria dos seus habitantes são negros, não tem justificativa essas atitudes.

Vamos continuar lutando pelos nossos ideais , quem sabe um dia essa realidade muda.

23 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Concordo com seu artigo. Atualmente temos a classificação do negro, como sou "mais clara" já pensam que não me enquadro na cor. Mas isso não impediu de sofrer preconceitos, não impediu que as pessoas me olhassem com pena ou pensassem que eu ralo muito porque acho interessante. Sabe o que agrava a situação? Morar na periferia, isso é o fim para as pessoas. O direito ainda é muito elitizado, faculdades caras são compostas em 95% por brancos e com boas condições financeiras.
Me lembro de um congresso super famoso para vagas de emprego e estágios que eu fui, de 250 pessoas, apenas 6 eram negros. Nas mesas do escritórios participantes, todos os advogados eram brancos, não vi um negro. Eu sai de lá me sentindo triste e derrotada, porque com todos que eu conversava, as pessoas olhavam através de mim, como se eu fosse invisível.
Mas depois eu senti pena deles, prometi a mim mesma que meu objetivo seria ser diferente deles.
Garanto que vai sofrer preconceito quase sempre, vai ter que ralar o dobro que os demais, mas ninguém vai poder barrar o seu caminho. Quando disserem que você não é capaz, prove a eles que você é melhor que eles e seja melhor. continuar lendo

Parabéns pela vitória, foi mérito seu, independentemente da cor da sua pele você mostrou que é capaz de vencer, basta querer. Infelizmente o preconceito existe na sociedade, mas não podemos fechar os olhos para queles casos de vitimismo, aliás, não é comum ver alguns branquelos pegando seus tambores e sair cantando por aí "e diga yes, diga yes sou brancão, sim, sim, sim, sim, sim".

Importante registrar que tivemos ministro negro na mais alta corte do país (Joaquim Barbosa) e até mesmo como presidente de uma das maiores potencias mundial (Barack Obama). Ver um negro em uma posição de destaque na sociedade não significa que os negros estão vencendo a briga, mas sim que estão demonstrando capacidade.

Posso citar mais um exemplo? vamos lá, lembra daquele cantor Marshall Bruce Mathers III, mais conhecido como Eminen. Conquistou o Grammy Awards, tornando ele o primeiro artista a conquistar o prêmio de melhor álbum de rap do ano por três vezes consecutivas, um cara que não era negro se destacando no meio do rap.

Sistema de cotas? não vou entrar no mérito, renderia um livro. Agora está comprovado cientificamente que os negros são superiores fisicamente em relação ao homem branco, mas não tem "colher de chá" para os brancos que seguem carreira policial na hora de fazer o teste de aptidão física para ser aprovado em concurso público.

Algumas pessoas não conseguem atingir seus objetivos e as vezes procuram um motivo para mascarar a frustração e acabam encontrando na cor da pele. É muito mais fácil providenciar uma desculpa do que dar a volta por cima e vencer a batalha.

Pra encerar, segue trecho da letra da música (Homem Amarelo - O Rappa).

Só misturando pra ver no que vai dar
Só misturando pra ver no que vai dar
Só misturando pra ver no que vai dar
Oooh Oh Oh Oh ...

Cor da pele? FODA-SE!
Cor da pele? FODA-SE!
Cor da pele? FODA-SE!

Todo mundo é igual brother! continuar lendo

Meu Deus, quanta bobagem! continuar lendo

"É muito mais fácil providenciar uma desculpa do que dar a volta por cima e vencer a batalha." Então quer dizer que os negros que não tem os mesmos privilégios de pessoas brancas ou por n conseguirem àquilo que tanto almejava em razão de sua condição e exclusão social utilizam isso como desculpa, o que justifica na falta de pessoas negras no cotidiano forense ou em outros setores compostos por sua maioria de pessoas brancas? Realmente, tem pessoas que deveriam sair mais da b"olha" e parar de olhar para o próprio umbigo. Todos são seres humanos, mas todos não são iguais, brother. continuar lendo

Ao longo da história, os negros nunca conquistaram nada de forma fácil.
Sempre foi necessário que algum de nós rompesse a zona marginalizada que a sociedade sempre nos reservou.
A advocacia não é profissão de covardes, mas o advogado negro cresce sabendo que VIVER e EXISTIR não é para covardes.
Por mais que nosso ramo seja predominado por elites e pessoas de pele branca, é necessário nos interessarmos e ocuparmos espaços que jamais acreditam que vamos ocupar. Assim como aquelas crianças décadas atrás, decidiram estudar em colégios para brancos, assim como muitos negros no passado deram suas próprias vidas pela liberdade, não podemos nos acovardar e pensar que essa profissão não é para nós.
Iremos encontrar muito racismo pela frente, mesmo que velado, mas eles terão que engolir nossa competência e nossa presença, porque não voltaremos nunca mais para a senzala. continuar lendo

Triste realidade. continuar lendo